O SR. CARLOS NEDER – PT – Sr. Presidente, Srs. Deputados, Sras. Deputadas,  telespectador da TV Alesp, o Sindicato dos Trabalhadores em Pesquisa, Ciência e Tecnologia de São Paulo completa 25 anos de existência.Esse sindicato tem em sua base pelo menos 5 mil trabalhadores, com grande presença na Região Metropolitana de Campinas. Haverá hoje, na Câmara Municipal de Campinas, um ato comemorativo desses 25 anos em que o sindicato vem trabalhando pelo fortalecimento de empresas, instituições públicas e privadas, que atuam na área de ciência, tecnologia e inovação.Tomando por referência cada um desses anos de existência do sindicato, sua direção optou por fazer uma homenagem a 25 pessoas que, de alguma forma, colaboraram nesse trabalho em defesa de uma área estratégica para o desenvolvimento do Estado e do País.Com muita satisfação, fui informado de que serei um dos homenageados, hoje, na Câmara Municipal de Campinas, uma vez que recebi um documento com seguinte teor:

“Caro, Deputado Carlos Neder

O SINTPq – Sindicato dos Trabalhadores em Atividades (Diretas e Indiretas) de Pesquisa e Desenvolvimento em Ciência e Tecnologia, celebrará os seus 25 anos no próximo dia 13 de novembro, às 18h30, na Câmara Municipal de Campinas. Além da comemoração, a entidade fará uma homenagem para 25 pessoas que contribuíram para o fortalecimento e luta do sindicato nesses 25 anos.

Você será um dos homenageados e fazemos questão da sua presença.”

Quero, inicialmente, agradecer essa gentileza e afirmar que estarei presente nessa cerimônia comemorativa dos 25 anos do SINTPq.

Chamo atenção para o fato de que o SINTPq é uma das entidades colaboradoras da Frente Parlamentar em Defesa dos Institutos Públicos de Pesquisa e das Fundações Públicas no Estado de São Paulo, que coordeno. É preciso dizer que essas entidades colaboradoras têm cumprido um papel relevante, na medida em que a Frente Parlamentar, além de ser constituída de  deputados de diferentes partidos políticos, também conta com a atuação desses sindicatos, associações, movimentos. Recentemente, mantivemos uma audiência com o secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, que é o vice-governador Márcio França, para discutir o futuro dessas instituições públicas, e outras que se relacionam com poder público na área estratégica que ele coordena. É preciso, mais uma vez, fazer referência à participação do SINTPq nesse trabalho.

O sindicato dos trabalhadores publicou na sua página, na internet, um documento muito interessante, intitulado “Pesquisadores e cientistas: quem poderá nos defender?”.

Era de se esperar que, tratando-se de pesquisadores e cientistas, – e o mundo todo sabe de como essa área é estratégica para o desenvolvimento sustentável – não seria preciso abrir um debate sobre quem deve defendê-los. Esperaríamos todos nós que o poder público, inclusive o Parlamento estadual, agisse em defesa desses profissionais. Entretanto, o documento que eles trazem ao conhecimento público mostra que há uma insegurança quanto ao futuro por parte desses trabalhadores, e também dos setores em que eles atuam, e que vai se traduzindo numa progressiva piora das condições de trabalho, de respeito às condições salariais, de capacidade laborativa e de desenvolver pesquisas por parte desses trabalhadores, como diz o seu presidente Regis Norberto, presidente do SINTPq.

Passo a ler dois documentos, um de autoria do SINTPq, e outro da pesquisadora Ros Mari Zenha, dirigido ao deputado Orlando Bolçone, presidente da Comissão de Ciência, Tecnologia e Inovação, pela importância que têm no debate a respeito do Plano Diretor Estratégico na área de Ciência, Tecnologia e Inovação no estado de São Paulo.

“Vinte e cinco anos do Sintpq                        

O Sintpq representa os trabalhadores em atividades diretas e indiretas em Pesquisa, Ciência e Tecnologia de Campinas e região e, também, do município de São Paulo.A entidade atua em todo o país na discussão de políticas públicas em prol do desenvolvimento científico e da valorização da mão de obra como elementofundamental na inovação tecnológica, tão essência! ao desenvolvimento económico de qualquer nação.Em Campinas e na Capital, o SINTPq faz parte do Conselho Municipal de Ciência e Tecnologia e, no Estado de São Paulo, participa da Frente Parlamentar em Defesa dos Institutos e Fundações Públicas de Pesquisa”.“Pesquisadores e cientistas: quem poderá nos defender?

Quantas horas por dia você despende com o seu trabalho? Muitas além daquelas previstas no contrato, certo? Além da qualificação constante, as novas tecnologias possibilitaram trabalhar mais, sempre mais.

A automação da produção reduziu postos de emprego e mudou o mercado de trabalho, mas há ainda áreas em que o conhecimento do trabalhador – e não das máquinas – permanece como crucial para o seu desenvolvimento, estamos falando dos empregados na pesquisa, ciência e tecnologia.

‘O conhecimento do pesquisador, daquele que desenvolve tecnologia e inovação não é substituível. Há ainda uma grande dificuldade das empresas entenderem que o maior ativo desse setor é o próprio empregado’, afirma Regis Norberto, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Pesquisa, Ciência e Tecnologia – SINTPq.

Recentemente, a Revista Focus apontou Campinas como o maior polo de produção tecnológica da América Latina, responsável por 15% da produção nacional. Apenas na base de representação do SINTPq, que inclui a Região Metropolitana de Campinas (RMC, são mais de 5 mil profissionais trabalhando direta ou indiretamente em pesquisa e inovação.

Em novembro, o SINTPq completa 25 anos de discussão do setor, representando profissionais de empresas como a Fundação CPqD, Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), CNPEM, Instituto Eldorado, CTI Renato Archer, entre muitas outras. Em todas, sempre pautando a valorização desses profissionais como elemento fundamentai para a ciência brasileira.

Norberto destaca ainda que na esfera governamental o setor e os trabalhadores também são tratados como baixa prioridade, sendo característica comum o sucateamento das instalações e décadas de espera por um concurso público. “Há casos em que um pesquisador se aposenta ou falece e boa parte do conhecimento é perdido, pois não há concursos para novos profissionais”, ressalta.

Todo o trabalho em prol da pesquisa, ciência e tecnologia feito pelo SINTPq poderá ser conferido no próximo dia 13 de novembro, às 18h30, em cerimónia dos nossos 25 anos na
Câmara Municipal de Campinas.

Mais informações em www.sintpq.org.br
SINTPq Comunicação <comunicacao(8)sintpq.orcj.br>
http://sintpq.orq.br/index.php/component/k2/item/3908-25-anos-de-sintpq


“PROPOSTA PARA O PLANO DE TRABALHO DA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INFORMAÇÃOSão Paulo, 20 de maio de 2015Prezado Deputado Estadual Orlando BolçonePresidente da Comissão de Ciência, Tecnologia e Informação – CCT da Alesp

Assunto: Propostas de Atividades CRE/IPT para Plano de Trabalho da CCTI 2015

Nobre Deputado,

Conforme combinado, em conversa que tivemos quando da 1a. reunião ordinária da CCCT/Alesp, que teve como principal item de pauta a “definição do Plano de Trabalho da CCTI”, em 20/05/2015, encaminhamos, a seguir, proposta de atividades para o Plano de Trabalho, ora em elaboração, pelos membros da referida comissão.

• Apresentação e discussão do Plano Diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo – PDCTISP, cujos estudos tiveram início no segundo semestre de 2014, sob coordenação da Fapesp e que tem por objetivo aumentar o impacto social, económico e científico do Sistema Paulista de CT&I.

•          Apresentação e discussão do conteúdo dos 5 (cinco) temas que compõem o
PDCTISP, quais sejam:

  1. Sistema de CT&I: institucionalidade, investimentos e instituições;
  2. Formação de Recursos Humanos;
  3. P&D nas empresas em São Paulo;
  4. P&D nos Institutos de Pesquisa (estaduais, federais e privados);
  5. Pesquisa Académica (Universidades) e
  6. Setores focais.
• Plano Plurianual do Estado de São Paulo – PPA 2016/2019: propomos convidar os responsáveis por esse trabalho, no Executivo, para apresentar quais temas, atinentes à CT&I, foram contemplados no PPA e em quais Secretarias e Instituições.• Apresentação dos projetos que os Institutos Públicos de Pesquisa têm desenvolvido, com a finalidade de explicitar para a Casa de Leis qual seu impacto económico, social e científico para a melhoria da qualidade de vida da população paulista e do setor produtivo (público e privado) do Estado de São Paulo. Podemos começar com uma apresentação sobre o IPT e seu trabalho de suporte tecnológico ao setor produtivo e à concepção, execução e avaliação de políticas públicas em diferentes áreas e quais os desafios que temos para manter a reconhecida qualidade de seu trabalho.Ros Mari Zenha (Representante dos Profissionais no Conselho de Administração e Presidente do Conselho de Representantes dos Empregados do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – CRE/IPT)”Sr. Presidente, que cópia desse pronunciamento seja encaminhada ao vice-governador e secretário Márcio França, bem como ao presidente do SINTPq, senhor Régis Norberto.

​Muito obrigado.

Publicado em: 19 de novembro de 2015

Deixe uma resposta