O deputado Carlos Neder representou o presidente da Comissão de Educação e Cultura, deputado João Paulo Rillo, na cerimônia de comemoração dos 16 anos do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera). No evento, Neder destacou a importância do Pronera para São Paulo, que ao longo de quase duas décadas vem educando crianças e adultos no campo e capacitando os trabalhadores rurais com formação técnica e superior no Estado. “Historicamente discrimados, são políticas como essas que contribuem para a melhoria da realidade desses trabalhadores e de suas famílias em nosso Estado, além de valorizá-los no processo produtivo da agricultura e concientizá-los de sua importância no campo”, afirmou o deputado.

Durante o evento, o professor Luiz Bezera Neto, da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar) lançou o livro “Na luta pela terra”. A publicação traz a história da criação do Pronera e suas dificuldades de ampliação junto as universidades públicas.

Estiveram também presentes ao evento, Clarice Aparecida dos Santos, coordenadora nacional do Pronera, do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Welington Diniz Monteiro, superintendente Regional do Incra em São Paulo, Marcos Pimentel, presidente da Federação da Agricultura Familar (FAF) e Márcia Ramos, representante em São Paulo do Movimento dos Sem Terra (MST).

Clarice informou que o Pronera é o mais longevo dos programas de educação no campo do País e que já formou até hoje 7.700 trabalhadores rurais nas áreas do ensino técnico e superior, atingindo aproximadamente 9 mil assentados no País e formado 500 professores. Já Diniz afirmou que se trata de um programa que tem democratizado a educação no campo, mas que apesar da sua importância ainda é pouco conhecido pela população. Ele destacou no entanto recente parceria do programa com a Universidade de São Paulo (USP), na formação do trabalhador rural. Para Márcia, representante do Movimento dos Sem terra, o Pronera é uma  conquista dos movimentos sociais, que vem lutando pela escolarização dos assentados.

Deixe uma resposta