Quem participou das lutas pela saúde na cidade de São Paulo certamente conheceu o seu Naelson. Presente em todo tipo de atividades, reuniões e manifestações, ele sempre gostava de usar a palavra para expressar sua visão sobre o momento. Valia a pena ouvir sua voz calma, paciente e reflexão lúcida. Foi do Conselho de Saúde municipal e estadual exercendo a representação de usuário com uma dedicação incansável. Orientava conselheiros mais novos, ensinava os que dele se aproximava sempre animando os que se abatiam pelo cansaço. Era também um militante do PT raro, com opinião e disposto ao diálogo. Manifestou recentemente sua alegria com a vitória da primeira mulher na presidência da República, assim como com os mandatos do presidente Lula, sempre exercendo seu direito de criticar o que precisa ser melhorado. Quem o conheceu apenas desta história não sabe que em seus 92 anos de vida Naelson Correia Guimarães traçou uma longa e valorosa trajetória de militante das causas sociais.

Nascido na cidade de Amaragy (PE), Naelson foi filho de uma família de lutadores das causas sociais que lhes deu muitos exemplos de lutas. Na juventude foi para o Ceará, onde se aproximou das causas dos trabalhadores tecelões, movimento sindical e do Partido Comunista. A militância na esquerda o levou a sacrifícios duros, envolvendo a família que com oito filhos tinha dificuldades em mantê-la e a profissão que foi mudando de acordo com as possibilidades, chegando a exercer a profissão de tipógrafo, sindicalista, mecânico e até jornalista, quando atuou em Fortaleza na “Imprensa Popular”. Junto com a família foi para o Rio de Janeiro, Angra dos Reis e São Paulo, onde permaneceu até nos deixar.

Em homenagem a este lutador, o Conselho Municipal de Saúde indicou que a sua sala sede leve o nome de Naelson Correia Guimarães.

Serviço:

Sepultamento: Cemitério Parque da Cantareira

Estrada do Corisco, n.º 5.005 – Jardim Corisco. Sepultamento dia 02/8, 15 horas.

 

 

 

*Texto teve como base entrevista que sr. Naelson concedeu ao blog do José Dirceu em 2011 e de conversas com amigos e companheiros de luta.

Deixe uma resposta