Editorial do deputado Carlos Neder analisa manifestações nas ruas do país

Com os movimentos desencadeados em todo o país tendo por objetivo declarado a redução de tarifas e a melhoria dos transportes públicos, a conjuntura evolui em ritmo acelerado e multiplicam-se as interpretações de o que teria levado ao caráter explosivo e massivo que rapidamente eles assumiram. Todos concordamos que já é insuficiente ressaltar o fato novo de os jovens terem ido às ruas lançando mão de novos métodos de convencimento e mobilização, bem como repudiar as ações violentas por parte do Estado e de parcela dos participantes, como denunciamos da tribuna da Assembleia. Há muito mais a dizer e, sobretudo, a pensar a respeito!

No que diz respeito aos transportes coletivos, sistema de responsabilidade dos três níveis de governo, impossível fazer no calor da batalha a adequada difusão de informações técnicas e de propostas em andamento para sua renovação. O recuo no aumento dado nas tarifas tornou-se inevitável e necessário. A pressão popular por mudanças significativas na oferta e qualidade desses transportes deverá pautar o próximo período, abrindo a possibilidade de que os compromissos assumidos em programas de governo e os estudos existentes acerca de sua viabilidade econômica sejam discutidos à exaustão com a sociedade interessada.

Ocorre que as ações de democracia direta vieram também no sentido de questionar a cultura política que prevalece entre nós, com a ênfase dada às modalidades de democracia representativa (partidos, eleições, cargos institucionais) e participativa (colegiados e outros mecanismos institucionais de participação e de democratização da gestão). Exigem-se novos métodos e – ainda que de modo insuficiente diante de tamanha expectativa de mudanças – devemos garantir pelo menos a articulação eficiente dessas três modalidades de democracia e participação, de modo a não criminalizar os movimentos, suas lideranças e sua autonomia. Esse foi o tema da exposição que fiz a convite do Conselho Estadual de Saúde de São Paulo.

A discussão transcende o tema dos transportes e chega a outros igualmente importantes e que também foram  destacados pelos manifestantes, aos milhares. É o caso da saúde, sobre o qual falei para o Metro News, educação, redução da violência e combate à corrupção. Diante de tantos desafios resolvemos aproveitar a plenária de prestação de contas de seis meses do mandato para propiciar o aprofundamento dessa reflexão, que deverá ter consequências na ação política do PT e em todos os ambientes em que os filiados atuam, tais como Executivos, Legislativos, entidades, movimentos e outros espaços de organização da sociedade. O que inclui, naturalmente, um novo entendimento do papel das redes sociais e da mídia no processo de transformação da sociedade que desejamos.

Carlos Neder

Deixe uma resposta