Texto reproduzido do site do Viomundo. 

POR GABRIEL BRITO E VALÉRIA NADER, no Correio da Cidadania

Após ultrapassar uma década no poder central, começam a ser feitos os primeiros balanços históricos do PT enquanto partido do poder, potencializados pelas eleições internas de novembro, repletas de chapas e teses que simbolizam uma forte disputa pela hegemonia interna.

Em meio a tal reordenamento partidário e à crise política ensejada pelas vigorosas manifestações de junho, o Correio da Cidadania entrevistou a cientista política e professora aposentada da USP Maria Victoria Benevides, uma histórica militante do Partido dos Trabalhadores, que mostrou grande apreensão com o atual momento do partido e principalmente a situação de isolamento em que se encontra a presidente Dilma.

“Se há vazio de poder, alguém o preenche. Que a presidente está fraca diante disso tudo não restam dúvidas”, disse Maria Victoria, que também criticou os próprios caciques do partido em relação à forma como trataram Dilma nos últimos tempos.

Sobre Lula e seu chamado à ‘refundação’ do PT, fez uma simples síntese: “o que ele falou é muito importante. Precisa de mudança, o partido precisa voltar para as bases, aos movimentos sociais etc. Mas nós estamos dizendo isso desde que ele tomou posse”.

Enquanto descreve a perplexidade com que o partido, outrora grande frequentador e agitador das ruas, lida com as manifestações, Benevides destaca a urgência de se cerrarem fileiras em torno de Dilma, cujo mandato “não pode terminar em fracasso total”.

“Se o PT quiser sobreviver como um partido nascido da luta dos trabalhadores e realmente comprometido com as mudanças sociais necessárias, tem de cortar na carne e fazer mudanças radicais”, resume, porém, sem a certeza de que lideranças internas, “aquelas com poder de decisão”, estejam realmente dispostas a uma guinada progressista.

A entrevista completa com Maria Vitória Benevides pode ser lida a seguir.

Correio da Cidadania: Como você sente o atual momento do país, após as grandes e intensas manifestações país afora no mês de junho? Qual o sentido e perspectivas para os quais apontam estas manifestações?

Maria Victoria Benevides: Essas manifestações mostraram algo que já tínhamos, de certa maneira, esquecido. Os poderes constituídos, principalmente aqueles de carne e osso que disputam eleições, têm medo de uma coisa: das pesquisas com queda de popularidade e do povo na rua.

Estamos a um ano das campanhas eleitorais para a sucessão presidencial, de governos estaduais, Câmaras etc., de modo que tais manifestações vieram no momento certo, no sentido de fazer uma pressão que teve resultados, embora sempre com uma ambiguidade. Não temos certeza se é pra valer, mas elas tiveram resultado por terem dado um choque na calmaria de expectativas do governo, parlamentares e sua ampla base de apoio.

As manifestações pressionaram os governos de todo o país – no caso de São Paulo tanto prefeitura como governo do estado, além do Rio e outros, chegando ao governo federal – no sentido de fazerem aprovar alguns projetos de lei, alguns há décadas na gaveta, além também de forçarem uma maior tomada de decisões – através de projetos, propostas no âmbito de políticas públicas, de transportes, economia…

A presidente Dilma saiu da defensiva e apareceu com uma proposta de grande alcance, que não seguiu o caminho de aprovação; depois recuou, trocou etc. O importante é que ela lançou um debate importantíssimo, no caso, a participação popular e a cidadania ativa, à medida que propõe realização de consultas populares, plebiscitos, referendo… E os demais governos também tomaram algumas decisões no sentido de atenderem a pressão popular.

Eu digo que já tínhamos “esquecido” de certas coisas porque muita gente escreveu e debateu o assunto com um pouco de perplexidade e surpresa, quando temos de lembrar que em momentos importantíssimos da nossa história contemporânea o povo foi para a rua.

Pensando só do regime militar pra cá, houve povo na rua na luta pela anistia, pelas eleições diretas, pelo Fora Collor…

E antes de 1964 havia um movimento social bastante efervescente. A grande diferença é que eram setores organizados, com lideranças, ou seja, integrados à política.

A novidade das manifestações, eu diria, é a de ter uma agenda muito heterogênea, e quase numa posição de descartar a política. Não pela política em si, porque na realidade ir pra rua, se manifestar, pressionar e levar cartazes são atos políticos. Mas pelo descrédito dos partidos, que em pessoas de carne e osso acaba contaminando a própria ideia da política como possibilidade de transformação, de expressão, de liberdade, de defesa da igualdade, da diversidade etc.

Eu vi as manifestações, portanto, com entusiasmo, pois sou defensora da participação popular, da cidadania ativa, das formas de democracia direta, mas vi também com apreensão, porque estou plenamente convencida de que fora da política não há salvação. A única alternativa à ação política é a violência.

Porém, temos de entender que tipo de política queremos. Eu quero política baseada nos princípios republicanos, democráticos, sob a premissa de que é possível fazê-la com ética.

 

Leia a entrevista na íntegra no site do Viomundo. 

 

Deixe uma resposta