Ocorreu no último dia 24 de março, o quinto debate temático organizado pelo mandato do deputado Carlos Neder, desta vez o tema foi “Política públicas para mulheres em São Paulo” que contou com a contribuição da deputada federal Janete Pietá, a secretária municipal de mulheres, Denise Mota Dau e a secretaria de mulheres do PT estadual, Marta Regina.

Com o plenário lotado, o espaço político do deputado Neder ficou pequeno para a centena de mulheres e homens que estavam dispostos a fazer o debate sobre as políticas públicas existentes na cidade de São Paulo e no Brasil, e também da total ausência do Estado de São Paulo nestas políticas.

A deputada federal Janete Pietá iniciou o debate ressaltando as dificuldades vividas pelas mulheres desde o seu nascimento, quando por vezes é rejeitada no seio familiar e tem que ganhar o respeito até dentro deste espaço e depois na escola , trabalho e em toda a sociedade.

Deputada Janete Pietá “A nossa luta é permanente”

Janete afirmou que é preciso garantir a paridade de gêneros em nome de uma sociedade verdadeiramente democrática, ela lembrou que as mulheres representam 52% do povo brasileiro, mas no parlamento é a minoria e esta diferença se mantém em todas as instâncias sejam elas públicas ou privadas.

O governo Dilma foi lembrado pela deputada pela importância das ações desenvolvidas em benefício das mulheres, como: o aumento na construção de creches, a garantia da titularidade das casas do “minha casa, minha vida” serem das mulheres, a vacina do hpv para meninas, e tantas outras políticas que só uma mulher teria sensibilidade para implantar segundo a deputada.

Denise Dau secretaria de mulheres da capital anunciou importantes políticas que vêm sendo adotada por esta secretaria, sobretudo aquelas em parceria com o governo federal, parceria que não se repete em nível estadual.

Denise Mota Dau, secretaria de mulheres da capital

A instalação da “Casa da Mulher Brasileira” foi uma das conquistas apontadas por Denise, a ser construída na região central terá serviços jurídicos, de saúde e de trabalho, além de um espaço para abrigar temporariamente mulheres vítimas de violência, espaço conhecido como “casa de passagem”.

Chamadas de ações transversais, Denise apresentou uma série de políticas que estão sendo aplicadas nas secretarias de governo municipal em conjunto com a secretaria de mulheres. Na saúde com mais espaços para partos normais nos hospitais, no trabalho e economia com a capacitação de mulheres para a autonomia financeira, na cultura para uma valorização da figura das mulheres e o seu protagonismo.

A secretaria lembrou ainda de uma reivindicação que está sendo encaminhada para a secretaria de transportes pelo fim do assédio sexual nos ônibus da capital com instalação de câmeras internas nos coletivos, facilitando a identificação dos molestadores. Ação semelhante estará sendo implantada pela secretaria de serviços que vai iluminar melhor locais de maiores ataques a mulheres nas ruas.

O deputado Carlos Neder se lembrou da sua Lei Municipal 13671/2003 que cria um programa de informações sobre vítimas de violência na cidade, uma contribuição importante na identificação dos locais mais vulneráveis da cidade e as principais formas de agressão.

Marta Regina, secretaria de mulheres do PT estadual lembrou a todos que a construção do partido foi feito por homens e mulheres em nome da luta pela liberação da classe trabalhadora.

Com a conquista de vários governos, inclusive o federal muitas conquistas foram feitas na prática, mas ainda há muito que fazer, Martinha lembrou que muitos gestores públicos não aplicam corretamente políticas públicas voltadas às mulheres e que apesar de companheiros, gestores homens em sua maioria, precisam ser pressionados pelo partido e pelos movimentos organizados.

Martinha, secretaria de mulheres do PT-SP

Para a secretaria de mulheres do PT ainda é preciso mudar mentalidades a partir da educação, será nas escolas que vamos mudar esse pensamento machista que existe inclusive do PT e na CUT. Ela conclamou a todos e todas presentes pela união em torno do nome da presidenta Dilma Roussef, uma mulher que vem transformando o país e que todos os dias será preciso defender o seu nome dos ataques em sua maioria machista dos setores reacionários e conservadores da sociedade.

Ao final do encontro muitos se manifestaram, apontando denúncias e cobrando mais esclarecimentos por parte dos presentes, o deputado Neder novamente agradeceu a presença e lembrou que estes conteúdos trazem reflexões importantes para a construção de um programa de governo que atenda no estado e no parlamento todos os setores da sociedade.

 

Veja mais fotos: http://www.flickr.com/photos/carlosneder/sets/72157643026980973/

Veja pesquisa do IPEA sobre violência contra mulher no Brasil: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=21847&catid=10&Itemid=9

http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2014/03/27/maioria-diz-que-mulher-com-roupa-curta-merece-ser-atacada-aponta-pesquisa.htm

Deixe uma resposta