Para gestores, docentes e demais trabalhadores das universidades públicas o que está em jogo é o futuro da educação e o desenvolvimento do país

Frente Universidades Públicas

A Frente Parlamentar reforçou a pluralidade do grupo para o debate de temas comuns a todas instituições públicas de ensino superior. Foto: Antonio Alves Neto

A importância de garantir as condições para que a educação pública continue sendo oferecida em nível superior e técnico-profissionalizante, mantendo a ampliação e democratização do acesso sem prejudicar a qualidade do ensino e da produção científico-acadêmica, está entre as principais preocupações dos representantes das instituições de ensino públicas e entidades docentes que participaram, hoje (25), da reunião da Frente Parlamentar em Defesa das Universidades Públicas no Estado de São Paulo, coordenada pelo deputado Carlos Neder (PT). A retirada de recursos da área da Educação, conforme prevê uma série de projetos de lei e emendas à constituição em tramitação no Congresso Nacional, acrescida da redução orçamentária já enfrentada pelas instituições de ensino, deve agravar ainda mais o problema de financiamento das universidades públicas e recai num debate ainda mais amplo sobre o papel do Estado no oferecimento da educação superior e profissionalizante.

De acordo com Vitor Marchetti, pró-reitor de Planejamento da Universidade Federal do ABC (UFABC), a instalação e ampliação desse debate entre os mais diversos setores da sociedade é fundamental para mostrar que o que está em jogo é o próprio desenvolvimento do país. “Temos a universidade como geradora de diversos outros fatores de desenvolvimento, da saúde à educação passando pela produção científica e tecnológica além da formação profissional. Os efeitos desse desinvestimento serão sentidos a médio e longo prazos”, destacou Marchetti.

Para João da Costa Chaves Júnior, presidente da Associação dos Docentes da Unesp (Adunesp) e coordenador do Fórum das Seis, a questão passa pela discussão sobre o projeto político que está sendo operado nas entrelinhas da nova legislação em curso, e que vai justamente na contramão das políticas públicas de democratização do acesso ao ensino superior. Chaves lembrou que, segundo relatório divulgado recentemente, o perfil dos alunos das universidades públicas vem se alterando nos últimos anos, especialmente devido às políticas de inclusão promovidas pelo governo federal até então. De acordo com o estudo da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), dois de cada três estudantes encaixam-se no perfil vulnerável, ou seja, 50% a mais do que o registrado em 2010. Este número indica a importância da gratuidade do ensino superior público, além da necessidade da manutenção de programas de assistência estudantil.

Para aprofundar esse debate, a Frente Parlamentar realizará no dia 22 de setembro uma audiência pública com o tema “A Defesa do Caráter Público do Ensino Superior e Tecnológico: financiamento, modelos e políticas de acesso, assistência e permanência estudantil”. O encontro será no Auditório Franco Montoro da Assembleia Legislativa, a partir das 10h.

 

Descentralização do debate

Outro encaminhamento dado pelos integrantes da Frente Parlamentar foi a realização de atividades descentralizadas, com reuniões em diversas regiões do estado a fim de envolver novas lideranças neste debate, incluindo o poder municipal, e mostrar a importância das universidades públicas e das instituições tecnológicas para o desenvolvimento econômico regional. O próximo encontro, que deve ocorrer na região do ABCD paulista em data a ser definida, terá como tema “Fundações Públicas Municipais e seu papel no sistema educacional”.

Também participaram da reunião da Frente nesta quinta-feira representantes do gabinete da deputada estadual Leci Brandão (PCdoB), do Centro Universitário da Fundação Santo André (CUFSA), da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), da Associação dos Docentes da Unifesp (Adunifesp), da Associação dos Docentes da USP (Adusp),do Sindicato dos Trabalhadores da Unesp (Sintunesp), da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), do Conselho Regional das Igrejas Cristãs (Conic) e da Secretaria de Estado da Educação.

 

Leia mais na matéria da Redação Alesp: Frente Parlamentar em Defesa das Universidades Públicas discute propostas de atuação

Publicado em: 26 de agosto de 2016

Deixe uma resposta