Saúde e segurança pública foram os principais assuntos abordados pela bancada do programa transmitido pela TV Cultura nessa segunda (28)

Por Mariana Blessa, Portal Linha Direta

Uma bancada afiada, com questões sobre segurança pública e saúde. Este foi o cenário que o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha encontrou no Roda Viva desta segunda-feira (28). O coordenador da Caravana Horizonte Paulista respondeu a todas as perguntas ao vivo no programa transmitido pela TV Cultura. Quando questionado sobre o embate com o atual governo do estado de São Paulo, Padilha destacou a forma do PSDB lidar com os problemas. “Quando apresentamos dados sobre a falta de água no estado de SP, por exemplo, recebemos de volta agressividade. Devo estar incomodando muita gente”, ressaltou.

Frente a jornalistas e representantes de diversos veículos de mídia, Alexandre Padilha voltou a elucidar as calúnias sobre seu envolvimento com o laboratório Labogen. No caso, o ex-ministro explica que filtros criados em sua gestão inviabilizariam a parceria com um laboratório de fachada. E esclarece: “meu nome não está em nenhum tipo de apuração, não é indiciado. A única citação que existe a mim no relatório é feita por terceiros”.

Saúde e segurança

“Os elogios que recebo do Mais Médicos vêm das pessoas que são atendidas por eles”, revela Alexandre Padilha. Durante a sabatina, o ex-ministro exemplificou a eficácia do programa com o cenário encontrado em Cananéia. Pertencente ao Vale do Ribeira, o município foi um dos beneficiados, pois antes da implantação do Mais Médicos uma ambulância percorria mais de 70km entre as cidades diariamente.

Questionado sobre a quantidade de leitos hospitalares, Alexandre Padilha explicou que durante sua gestão no Ministério da Saúde foram criados mais de 300 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs 24h) e que, em cada uma delas, são colocados mais 20 novos leitos para a população. “Precisamos também pensar em um novo modelo de atendimento”, avalia o ex-ministro.

Durante a entrevista, Padilha também ressaltou que concomitantemente a isso, o governo do estado de São Paulo – chefiado há vinte anos pelo PSDB – “cuidou de instalar presídios no oeste de São Paulo, mas deixou de fazer novos hospitais na região”. Ele enfatizou que segurança pública não se resume a construção de casas de detenção. “A grande marca do governo de São Paulo é querer disputar com a Polícia Federal ao invés de propor parcerias”.

Assista o programa na íntegra:

Deixe uma resposta