Imagens e denúncias de violência e agressão policial contra manifestantes motiva requerimento de informações encaminhado à Secretaria de Segurança Pública do Estado

A constante ação truculenta da polícia militar na repressão a manifestações populares, realizadas nos mais diferente espaços públicos de São Paulo, motivou o deputado estadual Carlos Neder (PT) a encaminhar requerimento de informação à Secretaria de Segurança Pública do Estado a respeito da atuação dos policiais. Entre os questionamentos encaminhados, o parlamentar quer saber qual a posição da secretaria sobre o direito de reunião da população e de livre manifestação do pensamento em espaços públicos e quais outros agentes, além da PM, envolvem-se no processo de manutenção da ordem e segurança dos manifestantes. Entre outras questões, Neder pergunta ainda sobre o tipo de equipamento utilizado, armas ou outros artefatos, qual o protocolo para o uso de tais recursos e qual foi o custo das operações de repressão aos movimentos sociais realizadas em 2016.

Neder justifica a tomada de informações do órgão responsável pela segurança no Estado devido aos inúmeros relatos e denúncias por parte de manifestantes que participam dos atos, a fim de apurar excessos ou abusos do poder da polícia. “Busca-se apurar dados para que não haja dúvidas sobre a observância da legalidade e dos demais princípios norteadores da Administração Pública por parte dos responsáveis pela segurança da população”, anota o deputado que assina o requerimento protocolado nesta quarta-feira (14/09) via Presidência da Assembleia Legislativa.

Para o parlamentar, a atual conjuntura política tem levado a sociedade a uma maior mobilização social da população, que busca dar voz aos seus anseios e preocupações por meio de reuniões, reivindicações e protestos em espaços públicos, sendo tal direito à livre manifestação uma garantia constitucional. Ele ressalta que cabe ao Estado garantir que tais direitos possam ser exercidos de maneira plena, tutelando a segurança dos manifestantes e não ao contrário.

Nesta quarta-feira, mais uma vez a polícia agiu de forma violenta para cima de estudantes que se manifestavam sobre a reunião da CPI da Merenda, realizada na Assembleia Legislativa. Segundo Maria Beatriz Mendes, diretora da União Paulista dos Estudantes Secundaristas (UPES), Cerca de 30 policiais militares partiram violentamente para cima dos estudantes que bloqueavam a entrada do Plenário Juscelino Kubitschek – local onde ocorrem as audiência da comissão -, depois de terem sidos proibidos de acompanhar a sessão dentro da sala. Um cinegrafista que documentava o incidente chegou a ser derrubado pela força da ação policial sobre os manifestantes.

9029190334_9285798fca_z Foto: Mídia Ninja

Publicado em: 15 de setembro de 2016

Deixe uma resposta