Convidado a falar sobre a conjuntura política e o momento da ciência e tecnologia, Carlos Neder ressaltou o perigo de retrocesso nas políticas públicas para o desenvolvimento do país

 

O deputado estadual Carlos Neder (PT) participou na última sexta-feira (02/09) da inauguração das novas instalações do Sindicato dos Trabalhadores em Pesquisa, Ciência e Tecnologia – SP (SINTPq), em Campinas. Durante o evento, o parlamentar foi convidado a fazer um balanço do atual momento da ciência considerando a conjuntura política. Para Neder, com o governo Temer oficializado na Presidência da República, em nome do ajuste fiscal e do Estado mínimo, a contenção de gastos públicos será aprofundada com perdas que atingirão especialmente as políticas sociais em todas as áreas. Por outro lado, reforçam-se os interesses de grupos econômicos. “De certo modo, o novo marco nacional de ciência, tecnologia e inovação abre caminho para uma maior participação do capital privado na produção científica e tecnológica utilizando-se de recursos públicos”, lembrou.

C&T em debate: inauguração do novo espaço contou com a participação da comunidade científica e acadêmica

C&T em debate: inauguração do novo espaço contou com a participação da comunidade científica e acadêmica

No âmbito estadual, de acordo com Neder, o plano operado pelo governador Geraldo Alckmin, que já extinguiu importantes órgãos de pesquisa, como CEPAM e FUNDAP, e coloca à venda imóveis do patrimônio público, onde atuam institutos de relevante produção científica em diversas áreas, se constitui um exemplo da política conservadora nacional agora em curso. “No Estado de São Paulo, o governo Alckmin credencia-se como sendo o laboratório mais avançado dessa guinada conservadora”, ressaltou Neder. Segundo o parlamentar, por aqui o setor privado já opera com grande liberdade dentro do espaço público, como no caso do programa INVEST SP. Além disso, a ausência de ambientes democráticos de negócios favorece interesses particulares de grandes grupos econômicos. Na opinião de Neder, a criminalização de sindicatos e movimentos sociais, o autoritarismo e a falta de controle sobre a repressão policial são outros retrocessos dessa política conservadora que agora passará a agir no âmbito nacional.

Como membro da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação e Informação da Assembleia Legislativa, coordenador da Frente Parlamentar em Defesa dos Institutos Públicos de Pesquisa e das Fundações Públicas e da Frente em Defesa das Universidades Públicas no Estado de São Paulo, o deputado Carlos Neder vem pautando a discussão sobre o novo Marco Legal de CT&I; sua adequação à legislação estadual e à estratégia de desenvolvimento do estado de São Paulo; as possíveis mudanças que provocará no mercado de trabalho e no tipo de atuação de pesquisadores, pessoal de apoio e demais trabalhadores da área; entre outras audiências para discutir a vocação econômica de cada uma das regiões administrativas e tendências de desenvolvimento das forças produtivas no estado.

Regis Norberto, presidente do Sintpq: novo espaço permite ampliarmos o debate sobre pesquisa, ciência, tecnologia e inovação

Regis Norberto, presidente do Sintpq: novo espaço permite ampliarmos o debate sobre pesquisa, ciência, tecnologia e inovação

Para o presidente do SINTPq, Regis Norberto, penalizar o desenvolvimento científico e tecnológico brasileiro tem se mostrado um dos métodos de governantes para o enfrentamento da crise econômica. De acordo com ele, a modernização das instalações do sindicato permite ampliar a atuação para fortalecer o campo da ciência. “Queremos aproveitar o nosso novo espaço para ampliar os debates em pesquisa, ciência, tecnologia e inovação. Investir no desenvolvimento tecnológico é investir no futuro do país e não é possível fazer isso sem os trabalhadores do setor”, destacou Norberto.

Foto destaque: Flaldemir Abreu / Fotos interna: Divulgação

Publicado em: 6 de setembro de 2016

Deixe uma resposta