O documento condena a destruição em curso no Brasil, os ataques a direitos e conquistas sociais, a desnacionalização, o desemprego, o esmagamento da indústria, o aumento da desigualdade

Foi lançado nesta quinta-feira (27), em São Paulo, o Projeto Brasil Nação. O ato ocorrido na Faculdade de Direito da USP, no Largo São Francisco, no bairro centro da capital paulista, contou com a presença de intelectuais, artistas, profissionais liberais, estudantes, lideranças políticas e sociais.

O manifesto do Projeto Brasil Nação, cuja íntegra pode ser lida em www.bresserpereira.org.br, condena a destruição em curso no Brasil, os ataques a direitos e conquistas sociais, a desnacionalização, o desemprego, o esmagamento da indústria, o aumento da desigualdade. O documento já colheu mais de sete mil assinaturas e também conta com a subscrição do deputado Carlos Neder (PT).

“Privatizar e desnacionalizar monopólios serve apenas para aumentar os ganhos de rentistas nacionais e estrangeiros e endividar o país. O desmonte do país só levará à dependência colonial e ao empobrecimento dos cidadãos, minando qualquer projeto de desenvolvimento”, afirma o texto, que segue recebendo adesões.

“Para voltar a crescer de forma consistente, com inclusão e independência, temos que nos unir, reconstruir nossa nação e definir um projeto nacional. Cabe a nós repensarmos o Brasil para projetar o seu futuro – hoje bloqueado, fadado à extinção do empresariado privado industrial e à miséria dos cidadãos”, defende o documento.

O manifesto expõe os pilares do Projeto Brasil Nação: “autonomia nacional, democracia, liberdade individual, desenvolvimento econômico, diminuição da desigualdade, segurança e proteção do ambiente”.

No campo da economia, o grupo propõe cinco pontos:

1) Regra fiscal que permita a atuação contracíclica do gasto público, e assegure prioridade à educação e à saúde
2) Taxa básica de juros em nível mais baixo, compatível com o praticado por economias de estatura e grau de desenvolvimento semelhantes aos do Brasil
3) Superávit na conta corrente do balanço de pagamentos que é necessário para que a taxa de câmbio seja competitiva
4) Retomada do investimento público em nível capaz de estimular a economia e garantir investimento rentável para empresários e salários que reflitam uma política de redução da desigualdade
5) Reforma tributária que torne os impostos progressivos.

De acordo com um dos idealizadores do Projeto Brasil Nação, o economista Luiz Carlos Bresser-Pereira, em sua página no Facebook, são dois os próximos passos: obter através de internet um grande número de assinaturas para o documento; e conversarmos com os partidos políticos e movimentos sociais que estiverem interessados em esclarecer e aprofundar as questões e as políticas que estão no manifesto.

“É importante assinalar que o movimento Projeto Brasil Nação não é partidário. Nem pretende ter a chave para todas as questões. É um movimento de cidadãos que quer mostrar que EXISTE UMA ALTERNATIVA PARA O BRASIL – uma alternativa que poderá unir trabalhadores, empresários, classes médias em torno das ideias de nação, desenvolvimento econômico, diminuição das desigualdades e proteção do ambiente”, ressalta Bresser-Pereira na rede social.

O Projeto Brasil Nação está em busca de um Brasil novamente unido em torno do desenvolvimento e da justiça.

Para se juntar ao movimento, entre no link www.bresserpereira.org.br/, leia o manifesto Projeto Brasil Nação, subscreva, e passe a divulgá-lo para que outros também o assinem. E para que todos nós possamos mostrar que a nação brasileira não está morta, que não estamos condenados à dependência, à divisão interna, à desigualdade e ao baixo crescimento.

Deixe uma resposta