(*) Carlos Neder

 Com a classificação assegurada pela seleção brasileira às oitavas de final e passada a realização de metade dos jogos da Copa do Mundo, um aspecto que merece ser ressaltado é o caráter democrático, festivo e de entendimento entre os torcedores.

Uma simples olhada nas cidades sedes dos jogos e em todos os recantos do país confirma a boa convivência existente entre os brasileiros e os turistas, que vieram assistir às partidas e têm sido muito bem acolhidos.

Ao contrário do que algumas pessoas e entidades alegavam, o discurso anti-Copa não tem encontrado ressonância maior. Perde energia a cada dia. Os pessimistas de plantão devem estar incomodados com o fato de que a competição tem gerado uma boa repercussão do Brasil mundo afora.

Prova disso é que levantamento da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) aponta que a Copa do Mundo será responsável por gerar cerca de 1 milhão de novos empregos. Isso equivale a mais de 15% dos 4,8 milhões de postos de trabalho formais que foram criados nos últimos três anos. Além disso, outro dado que merece ser salientado é que o torneio deve propiciar a injeção de R$ 30 bilhões na economia nacional.

A realidade, que pode ser comprovada nas transmissões televisivas, é que os estádios têm ficado cheios de brasileiros e estrangeiros. Importante destacar que parcela da torcida é formada por setores populares, que puderam ter acesso aos jogos por conta da garantia da meia entrada e de ingressos destinados para beneficiados do Programa Bolsa Família.

Não podemos deixar que o entusiasmo pela desejada conquista do hexacampeonato mundial deixe de lado a discussão dos problemas que estamos vivendo no Estado de São Paulo. Por exemplo, a questão da falta d´água só vem se agravando, sem uma postura firme por parte do governo do PSDB para controlar essa situação.

Nossa esperança é a de que o Brasil continue avançando como sociedade democrática e rumo a mais um título. Esperamos que esse espírito democrático e respeitoso que temos visto nos estádios caracterize também as eleições em outubro. Que os partidos políticos e os candidatos majoritários e proporcionais façam uma campanha ética e apoiada em propostas que visem novas conquistas na qualidade de vida de todos os brasileiros. Avante, Brasil!

 (*) O autor é deputado estadual (PT). Contatos: www.carlosneder.com.br / (11) 3105-5632.

 

Deixe uma resposta